Sei
01 Aug 2013 | Sei

Fã Clube Nando Reis

RUIVÃO: DIARIO DO NORDESTE

Sem medo de ousar, Nando Reis surge reinventado no CD/DVD “MTV Ao Vivo Bailão do Ruivão – Nando Reis e os Infernais”. O álbum é diferente de tudo o que o artista já apresentou em 15 anos de carreira solo. São 19 canções que, segundo o próprio cantor, fazem parte do seu imaginário desde a infância. “O trabalho é composto por músicas que ouço desde muito tempo. Mas não era o que tocava na sala da casa dos meus pais. Lembro que são músicas que eu ouvia no rádio, não o da sala, mas o da cozinha”, explica.

O “bailão”, como Nando apelida esse conjunto de canções variadas, é formado por “Whisky a Go Go”, “Fogo e Paixão”, “Agora só falta você”, “Frevo Mulher” e até a lambada “Chorando se Foi” e o forró “Você não vale nada”.

“O critério de escolha foi, em primeiro lugar, as canções que amo e me identifico. Depois, analisei se os arranjos tinham afinidade com a minha sonoridade. Muitas canções acabaram ficando de fora como “Deixa eu te amar”, do Agepê, que eu queria muito gravar, e “I´m gonna get married”, de Lou Christie”.

Nando explica que há dez anos abre espaço em seus shows para algumas dessas canções e que é uma felicidade poder, agora, realizar uma compilação das mesmas em um álbum. E enfatiza a aceitação do público. “Fiz apenas quatro shows desse trabalho até agora (em São Paulo, Rio, Santa Catarina e, ontem, em Canoa Quebrada). As pessoas têm gostado e, apesar da crise da indústria fonográfica, a vendagem está sendo boa”, avalia.

No entanto, quando é indagado sobre críticas, afirmando ser este novo álbum o seu grande erro como músico, por ele ter se baseado em canções de sucesso dos outros, o que pode facilitar as vendas (o disco anterior do músico, “Drês”, foi considerado um fracasso nesse quesito), Nando se altera.

“Vou te dizer uma coisa: A crítica musical no Brasil é uma porcaria. Eles taxam tudo como certo ou errado e pronto. Isso fere o processo criativo. Só tem imbecil escrevendo sobre música no Brasil”, dispara.

Sobre a afirmação que fez à revista Billboard Brasil, quando disse que desejava homens e mulheres, o cantor segue no mesmo tom: “A gente fala que deseja homens e mulheres e as pessoas já ficam achando que dou a minha “b…” por aí. Quando falo em desejar, falo em admirar. O que faço na vida pessoal só diz respeito a mim. Para mim, só existe uma coisa errada: tirar a vida de alguém. O resto, tudo é permitido”.

Aos 48 anos, Nando Reis diz que tem procurado se cuidar. “Acordo, tomo café, almoço, malho e, à noite, me estrago”. Aí, pergunto: “Quer dizer que você concorda com a canção que diz que tudo que é bom, é imoral e engorda?” O artista, então, arremata: “Adoro tudo o que é imoral e engorda”.

Fonte: Diário do Nordeste

21st janeiro, 2011

2 Commentários

2 Comentários