Sei
01 Aug 2013 | Sei

Fã Clube Nando Reis

RIO DE JANEIRO-RJ (23/04)

A Arte é plena, a Arte invade,
Arte acende
E e a gente? A gente se rende…

A paixão tem tantas faces, a paixão é par,
A paixão sou eu, é você, a paixão é multidão,
A paixão é vermelha, a paixão canta e toca sob as luzes dos holofotes…

Então, numa bonita noite de sábado, numa mais bonita cidade, um show delicado e frenético, como Nando Reis sabe fazer.

O Rio de Janeiro lotado, toda a ansiedade do mundo ali reunida, pessoas vindas de todos os cantos do Brasil ( São Paulo, Minas, Amazonas, Norte, Sul, Leste e Oeste) e até de fora, porque pude perceber um sotaque lusitano além-mar bem louco e entusiasmado das moças e rapazes que rapidamente se grudaram na grade e passaram a entoar as canções com um jeito todo especial de dizer as sílabas…

Depois de um “aquece” de Claudio Zoli, com um suing bem legal e depois de um atraso que foi sentido e vaiado, finalmente a banda e Nando entram com tudo, pouco importando se demorou ou não, rapidamente o “ódio” se transforma em paixão, na primeira nota…É a relação passional dos fãs com seu artista…E a partir daí é só deleite…Ele delicadamente pede desculpas pelo atraso e como ele bem disse já não importava, a partir dali seria só prazer…

Prazer emocional quando ele canta as canções que nos remetem a memória de Cassia, prazer quase sexual quando ele sacaninha canta “voce não vale nada mas eu quero te comer” ( um dos momentos mais divertidos e que eu gosto, porque deixa muito claro o sex appeal do moço que brinca no palco…rs ), prazer romântico quando ele entoa as canções que embalam tantas histórias de amor, prazer delírio quando a galera sai do chão cantando “oncinha pintada, zebrinha listrada, coelhinho peludo vão se fuder!!!” …Em um ou outro momento dá pra perceber um tantinho de voz embargada, talvez porque ao cantar o que Cássia cantava algo o remeta ao tempos das Laranjeiras, do Rio de Janeiro, dos papos na madrugada com aquela que talvez seja a alma gêmea da sensibilidade dele…

É legal perceber que fazer um show ainda é um ofício que dá prazer a todos, a banda, as moças sexys que cantam ( Micheline atiça a galera e Hannah brilha do mesmo jeito) e ao Nando que genuinamente passa tesão no que faz.

A gente sai saciado de canções, prazer, sons, poesia, energia…E com a certeza de que tantos momentos como este ainda se repetirão porque o moço Nando tem milhagem pela frente e uma energia que nada castigou.

Salve Nando, Salve Jorge, Salve o vermelho de Jorge e Salve o vermelho ruivo…Num dia 23 de abril eu fui feliz na minha Cidade Maravilhosa, sem frustração! rs

Texto enviado ao fã clube por: Ana Duarte

Veja fotos: AQUI

25th abril, 2011

1 Commentário

Um Comentário