Sei
01 Aug 2013 | Sei

Fã Clube Nando Reis

ILHÉUS-BA – BOCA DU MAR (14/01)

ILHÉUS-BA – BOCA DU MAR (14/01)

Enérgico e intenso, Nando Reis abriu o show com toda performance e irreverência que o artista tem direito, ao lado da Banda os Infernais. Estreou com o sucesso “Sou Dela” e emocionou a platéia com muitos dos seus clássicos. A festa se iniciou com o baiano Peu Delrey e em seguida o Balão do Ruivão entrou no salão para animar o baile, que se encerrou com o reggae da banda Mascavo. Esta é uma iniciativa da MV1 Eventos, vinculada à M21 Publicidade e Propaganda, há mais de dezoito anos promovendo e valorizando a cultura.

Cada vez mais a cena cultural da região tem se intensificado com a realização de eventos como esse, que prima pela qualidade da produção, do conteúdo artístico e que tem destinado espaço para artistas da nossa região. “O Bailão do Ruivão é um show que muitas pessoas queriam assistir. Ver o trabalho de toda uma equipe tornando isso realidade é uma grande alegria, fico muito feliz e agradeço ao público por prestigiar esse acontecimento, assim como também aos patrocinadores”, comemora o executivo da MV1, Marcos Lessa.

Tomado de surpresa com a corda de seu violão que pocou, o Ruivão não economizou em sua performance artística, explodindo extasiado de calor, freneticidade e irreverência. Um verdadeiro rapaz com diagnóstico de hiperatividade acentuada. Era visível o quanto Nando Reis necessitava do seu violão em seus dedos famintos para expandir toda sua energia na música. Perder por alguns instantes aquele que é praticamente a extensão do seu braço, foi o mesmo que ver um homem sem um pedaço do seu próprio corpo, alucinado, buscando desesperadamente interagir com qualquer coisa solícita a ele: o circulador de ar. Sim, encenou quase que um encontro amoroso com o ventilador do palco, enquanto cantava cheio de emoção e carência. O assistente tocou o violão e por isso o arranjo da música não ficou desfalcado com a falta acústica do instrumento, mas pudemos presenciar a oportunidade única de assistir um músico em pleno ato artístico e inusitado, sem os seus acordes em mãos, quase desesperador. Isso não comprometeu nem um pouco o espetáculo, ao contrário, suas estripulias acrobáticas incendiaram a paisagem de seu som. Ele pulou, dançou e até deitou no piso do palco e ali permaneceu por alguns segundos enquanto Os Infernais seguiam com o som. De fato, atuou com total desprendimento e desapego. Um ser livre, tão livre que depois de tocar seus clássicos como “Relicário”, “Por onde andei”, “Não vou me adaptar”, “O Segundo Sol”, e outros, trouxe os covers de músicas ‘bregas’ do Bailão, como “Você não vale nada”, “Chorando se foi”, “Whisky a Go-Go”, entre outras, animando e imprimindo ritmos diversos na dança da platéia.

De férias e residente em Vitória da Conquista, a jornalista Carolina Coelho não resistiu aos encantos do litoral ilheense, onde já viveu parte de sua infância, e aproveitou para curtir esse show ao lado de amigos. “A produção da MV1 surpreendeu nossa expectativa, a festa está bacana, muita gente bonita, som de primeira qualidade, segurança… Encontrei com meus amigos, estou matando a saudade e vou voltar pra casa feliz da vida!”, afirmou a jornalista e também assessora de comunicação.

Por: Anna Karenina

18th janeiro, 2012

1 Commentário

Um Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *