Sei
01 Aug 2013 | Sei

ENTREVISTA COM NANDO EM DOURADOS

UFGD – Como foi o começo da sua carreira?
Nando ReisUau! Faz um bom tempo que eu comecei, em 1982. Foi bom, foi ótimo. De lá pra cá só confirmei que é isso que eu tenho, que eu posso fazer. Altos e baixos, mas feliz e totalmente convencido que era isso que eu queria fazer.

UFGD – Hoje no show você tocou músicas do Zé Ramalho, Roupa Nova, do Arnaldo Antunes. Como esses artistas influenciaram sua carreira, sua música?
Nando ReisMuito, muito. O Arnaldo é diferente, porque ele foi meu colega, e eu aprendi com ele. Os outros foram influências fortes, to fazendo uma homenagem, eu acabei de gravar um DVD que vai sair em novembro que vai ser uma homenagem a todos eles, que é o “Bailão do Ruivão”

UFGD – Todos os CDs que você vem lançando têm uma temática. No álbum Drês, qual foi a idéia que você trouxe para seus fãs?
Nando ReisA temática é o amor, é uma defesa de que a relação amorosa e o olhar pra dentro de si é a coisa mais saudável que pode acontecer. É isso que tava no Drês. De certa maneira, acho que é o que tá em todos, inclusive no próximo, que é o Bailão que vai sair em novembro, que não são músicas de minha autoria, mas que têm o mesmo princípio de que o amor é que vale a pena.

UFGD – A respeito da importância desse evento, que foi trazido pela universidade – e até mesmo por sua carreira ter começado no meio universitário – gostaríamos de saber como você vê essa relação entre cultura e universidade.
Nando ReisDesde que eu comecei, eu tento entrar no circuito universitário porque na época em que eu era adolescente os shows que eu assistia lá em São Paulo nas faculdades era a coisa que mais me agradava. E na verdade estar fazendo esta festa de cinco anos recente, não só me deixa lisonjeado, como feliz de estar, depois 30 anos de profissão, ainda estar sendo assunto, despertando interesse para esta juventude.

UFGD – Diante da situação de Dourados, onde vários representantes foram presos recentemente, gostaria de saber sua opinião sobre como a cultura pode influenciar inclusive dentro de questões políticas.
Nando ReisEu sou meio cético, eu detesto política, não acredito que haja nenhuma perspectiva de mudar essa má qualidade que os políticos estabeleceram com a sociedade, de onde a gente já não possa acreditar em nada. O fato de Dourados estar sendo palco de mais um escândalo, não faz com que eu pense que tocar em Dourados eu esteja tocando em um lugar maculado. Acho que não. As pessoas, os cidadãos, os estudantes daqui não tem nada a ver com isso. Quando eu vou tocar em Brasília, que é uma cidade nefasta, que é completamente associada, eu não penso nos maus representantes, na verdade, acho que quem vai num show, quem tá ali tomando chuva, levando seu filho, esperando – por qualquer razão – o espetáculo de um artista que ele goste, não tem nada a ver com o prefeito que roubou. Então, acho lamentável, acho que Dourados não merecia um prefeito prateado, ou enferrujado. Mas eu não penso nisso, não gosto de política. Só voto porque é obrigado, porque senão estaria num bar, bebendo, e xingando todos os candidatos.

UFGD – A Folha divulgou que você é um dos dez maiores artistas que arrecadam com direito autoral, só que o seu site disponibiliza todas as músicas do seu novo CD. Como você vê a pirataria e uma nova forma de lidar com isso?
Nando ReisOlha… a pirataria acabou por incentivar um roubo… que me fez perder muito dinheiro, mas… acho que o pior roubo que eu sofro é pagar impostos altos pra caralho e não ter benefício nenhum do serviço público. Então quem rouba mais é o governo, os piratas se espelharam nesse modelo horroroso de cobrar impostos demais e não devolver isso em serviço. Então, tanto faz se os ladrões são chineses ou prefeitos, ou chefes da casa civil, tudo igual pra mim.

UFGD – Ao longo da sua carreira tem uma música que mais lhe marcou?
Nando ReisOlha é difícil apontar uma música, porque eu ouço tudo. Não só daquilo que eu ouvi e gosto, quanto as músicas que eu fiz. Mas atualmente a música que eu mais gosto é “Muito estranho” do Dalto.

Equipe da UFGD
Jornalista: Stella Zanchett / Publicitário: Thales Pimenta